Boas Práticas de Email Marketing: Você Sabe Como Torná-lo Atrativo?

Trabalhar com email marketing vai muito além de apenas escrever um simples texto e clicar em enviar. Confira aqui boas práticas dessa estratégia!
Compartilhar no facebook
Compartilhar
Compartilhar no twitter
Tuítar
Compartilhar no linkedin
Publicar

Recentemente, o email marketing está em alta quando o assunto é a maneira de atingir e engajar os usuários no marketing digital.

Embora ele seja um canal relativamente antigo, quando comparado com as outras ferramentas que temos à disposição hoje em dia, o email marketing  é um excelente canal de comunicação por apresentar características valiosas que os demais canais não apresentam. 

Uma delas é o alcance. Ter um endereço de email é extremamente comum entre os usuários da internet. Além disso, muitas pessoas têm o hábito de manter sua caixa de entrada sempre limpa, mantendo o costume de checar com frequência as mensagens que recebem diariamente e o uso dos smartphones, consequentemente, tem facilitado muito esse hábito.

Antes de entrar na estratégia de email marketing propriamente dita, primeiramente temos que entender o quão importante é a base de email, ou seja, os contatos para os quais você ou sua empresa vai interagir.

Email marketing em vários aparelhos


Cuidado com a sua lista de contatos e a reputação da sua empresa

Aqui vão algumas boa práticas que você deve ter o cuidado de tomar em relação à sua lista de contatos e a reputação da sua empresa.


1. Nunca comprar uma base de email

Embora pareça uma maneira mais fácil de se introduzir no universo do email marketing, esta é uma prática altamente não recomendada que muitas empresas adotam. Vamos explicar o porquê devemos evitar a aquisição de uma base de terceiros.


a) As pessoas que estão contidas nessa base não conhecem a sua empresa e nem demonstram interesse pelos bens ou serviços que você possa oferecer. Além disso, ao receber um email de uma empresa da qual você nunca interagiu ou, até mesmo, nunca ouviu falar, causa uma impressão muito ruim a seu respeito. Os contatos dessa base vão se sentir incomodados e, consequentemente, a imagem da sua empresa será prejudicada.


b) Com o avanço das mídias sociais que vemos atualmente, a empresa não fica mal vista apenas por aquela pessoa que se sentiu incomodada por ter recebido determinado email. É muito provável que ela venha reclamar e expor o que ela pode considerar uma invasão de privacidade através de suas redes sociais.


c) Existe uma chance muito grande dos usuários marcarem suas mensagens como SPAM. Com o crescente desenvolvimento das plataformas e provedores, a probabilidade dos teus próximos envios das suas campanhas e automações de email marketing caírem na caixa de spam é muito grande, diminuindo consideravelmente o retorno que essa mídia pode gerar para o seu negócio.


d) A qualidade desta lista geralmente é muito baixa, apresentando muitos emails que não existem mais ou que foram desativados. Somado a isso, a qualidade em termos de segmentação para o seu negócio também é muito baixa, o que tende a aumentar a chance dos seus email serem marcados como SPAM.


2. Segmentação da sua base de leads

A segmentação da sua base é de extrema importância, pois é através dela que você conseguirá alinhar o conteúdo que será disponibilizado em função da altura do funil que uma parcela dos seus leads se encontram. Caso o entendimento do funil e jornada do consumidor ainda não esteja claro para você, confira este artigo para que este tópico tão importante fique mais claro.

Assim, você será capaz de se comunicar de maneira mais eficiente com o topo, meio e fundo de funil, além dos clientes/compradores do seu negócio.

Como reflexo dessa prática, você terá uma melhora significativa dos seus KPI’s, como taxa de abertura, CTR, taxa de conversão, número de vendas, entre outras métricas que são vitais para o seu negócio.


Exemplificando:

Para o topo de funil, o ideal é que você consiga atrair esses contatos para que eles se tornem pessoas mais qualificadas. Isso é feito através de conteúdos informativos, como postagens em blogs, newsletters periódicas e ofertas de materiais mais ricos e densos.

Para os leads que estão no meio de funil, devemos entregar materiais mais aprofundados e extensões para trabalhar o engajamento. É neste momento que devemos levar os usuários para o estágio seguinte do funil, aumentando a sua propensão de compra ou aquisição de um serviço.

A parcela de leads que já se encontra no fundo do funil deve receber um conteúdo que a convença de realizar a ação de compra. Tal conteúdo pode ser: cases de sucesso ou algum tipo de material que cause a sensação que o seu produto ou serviço ajudará a solucionar algum problema que eles enfrentam.

Os leads que já confiam na sua empresa e realizaram algum tipo de compra devem permanecer ativos. O mais recomendado é que, através do conteúdos que serão oferecidos, eles se sintam únicos e importantes. Isso pode ser feito por meio de ofertas e promoções especiais.


3. Análise de KPI’s

Assim como a produção do conteúdo deve estar alinhada com a etapa do funil, a análise do KPI não poderia ser diferente, ou seja, devemos nos atentar a diferentes métricas dependendo do nível e tipo de engajamento que os usuários apresentam.

Vamos apresentar algumas métricas importantes para acompanhar o desempenho das automações e campanhas de email marketing:


a) Taxa de crescimento da lista: é o percentual de quantos novos contatos de email entram na sua base dividido pelo número de contatos total. É um reflexo direto do investimento feito na captação dos leads.


b) Taxa de inativação da lista: consiste no tempo em que os contatos deixam de interagir com a sua marca ou empresa, seja deixando de abrir email seus emails em um determinado período de tempo ou, então, o email se torna inativo.


c) Taxa de abertura: esta métrica não é muito confiável, pois ela não consegue mensurar de fato o engajamento do usuário com o seu email. Não é possível saber se o email foi lido ou apenas aberto. Mas isso não quer dizer que ela não tenha utilidade. Em um teste A/B, ela é um excelente indicativo de qual é o melhor assunto ou, então, qual é o melhor horário de disparo para suas campanhas.


d) CTR (click through rate): ela é definida como o número de cliques dividido pelo número de email abertos. Essa métrica pode ser vista como um dos principais indicativos de sucesso das campanhas, revelando se a mensagem ou oferta feita foi realmente relevante para sua base de contatos.

Enviando email marketing


Algumas boas práticas para aumentar o sucesso da sua estratégia de Email Marketing

Como cada segmento do mercado tem suas características é impossível apresentar uma fórmula que pode ser aplicada para trazer o máximo de retorno.

Entretanto, existem algumas boas práticas que podem ser aplicadas na maioria das estratégias de email marketing. Agora vamos apresentar algumas delas:


1. Assunto do email

O número de caracteres deve ficar entre 30 e 70 para evitar de não aparecer toda a mensagem que você quer transmitir. Também é indicado que você tenha uma assinatura de email personalizada para aumentar a chances de abertura do teu email. Além disso, é interessante colocar perguntas para aumentar a chance de interação dos usuários.


2. Horário de envio

Não existe o melhor horário para o envio dos e-mails, até porque, se ele existisse, todos os disparos seriam feitos nesta hora, o que tornaria o pior horário, pois a atenção dos usuários ficaria dividida. O ideal é manter uma rotina de testes para aumentar a taxa de abertura entre outras métricas.


3. Experiência no mobile

Hoje, o volume de tráfego através de celulares é muito expressivo. Além disso, a grande maioria dos smartphone e tablets tem acesso ao email, tornando muito mais fácil a leitura dos emails nesses dispositivos. Otimizar o template para estes dispositivos é uma boa prática para garantir uma experiência adequada e não perder o tráfego destes usuários.

Você pode encontrar mais dicas de como montar sua estratégia de email marketing nesse link.


Conclusão

O bom desempenho da sua estratégia de email marketing é fruto de uma rotina de testes e otimizações. 

Realizar testes bem estruturados é a melhor maneira de entender o comportamento do seu público nas diferentes etapas do funil, além da análise das métricas apropriadas para mensurar o quão efetiva que a sua estratégia se apresenta para o seu negócio.

Sobre o autor

Guilherme Maia

Deixe seu comentário